TAG: amor
  • Pensamentos
  • 3 ago 2017

    O falso deus que habita em mim

    A cada dia que passa percebemos como o ser humano está mais propenso ao erro. Percebemos ainda que isso é natural do homem caído – uma vez que o mesmo deixou se envolver pelo pecado apenas para desfrutar do fruto da árvore da vida. Sendo assim, por mais que tentamos nos afastar do pecado, temos a tentação de irmos atrás do mesmo, uma vez que desde a queda, o homem obteve o conhecimento do bem e do mal.

    Temos ainda a convicção e sabemos que sem Deus nada somos. Porém, os dias não são mais os mesmos e o ser humano continua a sua busca incansável de ser de fato a imagem e a semelhança de Deus. Entretanto, nessa busca incansável, nos deparamos com erros e fracassos que nos permitimos. Devemos ter em mente que, a nossa busca de sermos a Sua imagem não é para sermos Ele. Alguns homens confundiram o que de fato estão fazendo, e por isso, acabam deixando de acreditar em nosso Pai Celestial, e passam a acreditar em seu deus interno.

    Quando temos a convicção de que somos de fato filhos, chamados por Cristo a realizar a boa obra, tentamos eliminar ao máximo o falso deus de nós mesmos. A partir do momento em que crucificamos o nosso eu, em busca de uma santidade para engrandecer apenas o nome dEle, percebemos que fomos criados e chamados para isso: louvar o Seu Santo nome.

    Então que possamos a cada dia nos voltarmos a Ele. Acreditarmos que Ele é o Verdadeiro Deus – e que possamos assassinar o falso que existe dentro de nós mesmos.

  • Filmes, Precisamos falar sobre
  • 31 mar 2017

    Precisamos Conversar sobre: A Bela e a Fera

    Oi gente! Tudo bem com vocês?

    Hoje vim trazer pra vocês a minha opinião sincera de fã de carteirinha de filmes da Disney. Posso garantir que não sou uma expert no assunto, mas me esforço para entender. E o que falar de um dos filmes mais esperados de 2017?  (mais…)

  • Desafio Literário
  • 17 mar 2017

    [TAG] 11 FATOS SOBRE MIM

    Ei gente! Tudo bom? Hoje vim responder uma TAG que fui marcada pela Cris <3 do blog Plataformatresquartos. Espero que vocês gostem, e além disso, vale a pena dar uma passadinha no blog da Cris pra ver as respostas dela ^^ Vamos lá?

     

     

    1 Fato: Meu nome completo é Talita Santana de Almeida;

    2 Fato: Assim como a Cris, sou APAIXONADA por água. Estou há exatamente um ano sem tomar refrigerante – hehe. Tomei essa decisão porque queria emagrecer, mas acabou que não deu muito certo kkk, mas a paixão por água só aumentou – até mesmo em formaturas, sempre acabo optando pela famosa água;

    3 Fato: Sou apaixonada por cachorro. Desde criança falava que queria ser médica veterinária, porém a vida nos faz tomar outros caminhos, e não me formei em veterinária – mas a paixão continua;

    4 Fato: Sou APAIXONADA pela Coréia do Sul. No começo foi por conta de k-pop. Mas hoje em dia, é por conta da cultura do país além é claro, de me apaixonada em cada drama que assisto, rs;

    5 Fato: AMO as animações da Disney. Se pudesse, ficaria o dia todo assistindo Mulan;

    6 Fato: Um dos meus filmes favoritos é Memórias de uma Gueixa. Cara, sou louca por esse filme! Sempre que alguém vem aqui em casa, chamo pra assistir <3;

    7 Fato: Adoro ouvir Hip Hop Coreano – as músicas são ótimas e os cantores são bem bonitos o.o kkkk;

     

    8 Fato: Sempre que estou indo para a faculdade, coloco funk pra ouvir no carro – não me julguem. Pela manhã não funciono, e às vezes, por mais que esteja amando alguma música agitada internacional, só acordo com funk kkk;

    9 Fato: Assisto Big Brother Brasil com minhas amigas. Uma sempre avisa a outra quando o programa vai começar, e sempre comentados em nosso grupo – como se fossemos participantes mesmo kkkk;

    10 Fato: Estou formando em Direito porém não sei se é isso que quero pra minha vida </3;

    11 Fato: Sou do signo de peixes e por mais que algumas pessoas ADOREM zoar os piscianos, sou apaixonada pelo meu signo <3.

     

    PERGUNTAS DA CRIS:

    1- Qual é o seu maior medo?

    Pra ser sincera, tenho dois grandes medos: cobras e solidão, hehe. Tenho muito medo de ficar sozinha, rs.

    2- Se pudesse ter um super poder, qual seria?

    Ler mentes. Por mais que possa ser algo indelicado, amo saber o que a pessoa está pensando.

    3- Um filme.

    Memórias de uma Gueixa <3

    4- Toddy ou Nescau?

    Nescau, hehe.

    5- Qual é a sua série favorita?

    Gossip Girl – por mais que ultimamente estou apaixonada por Vikings, mas meu amor por essa série não muda <3

    6- Se pudesse voltar ao passado, qual momento da sua vida você escolheria?

    Nenhum. Sei que o que ocorreu no passado, ficou por lá. Além disso, não tenho arrependimentos que me façam querer revivê-los ou mudá-los.

    7- Um arrependimento.

    Dar muito valor para algumas pessoas que não merecem.

    8- Se você encontrasse uma lâmpada mágica e tivesse direito a três pedidos, quais seriam?

    Ir e morar  na Coréia do Sul

    Conhecer New York

    Viver um romance como os de livros/filmes

    9- Livro favorito.

    Harry Potter e o Cálice de Fogo

    10- Diga uma coisa que você odeia muito.

    Cebola ;s

    11- E a pergunta que não quer calar: a lenda desta paixão faz sorrir ou faz chorar? 

    Faz chorar. Porque se não tiver um drama, não sou de fato pisciana, hehehehe.

     

    BLOG/IG INDICADOS: 

    Blog Cercadas de Páginas

    Natureza Literária

    Coisas de meninas

    Instagram:

    Continuar Lendo

    Viaje nos livros

    Leitura Secreta

    Book Aholic

    Euamo_pudim

    Danny_med

    Gabi

    sl_leitora

     

    Desde já peço desculpas porque não conheço muitos blogs com menos de 200 seguidores. Então, mesclei com IG’s literários porém, os que marquei também não tem 200 seguidores D: Ai gente! Me perdoa ><

     

    PERGUNTAS PARA OS BLOGS/IGS:

    1 – Qual seu maior sonho?

    2 – Qual seu gênero literário favorito?

    3 – Um filme que te define.

    4 – Se pudesse escolher, qual universo mágico viveria?

    5 – Rapunzel ou Enrolados?

    6 – Qual seu livro favorito?

    7 – Qual é a trilha sonora de sua vida?

    8 – Londres ou Nova York?

    9 – Qual cidade do Brasil tem vontade de conhecer?

    10 – Gosta de conhecer coisas novas ou prefere rotina?

    11 – Qual sua música favorita?

     

    Amei fazer essa TAG, e agradeço a Cris por me marcar. Espero que vocês tenham gostado da brincadeira, e não esqueçam de passar no blog da Cris pra ver as respostas dela <3 Como não tenho muitos blogs que possuem menos de 200 seguidores, então irei marcar blogs IG literário. 

  • Seriados
  • 13 fev 2017

    One day at a time

    Ei gente, tudo bom?

    Tenho muitas novidades para vocês, e espero que possam ficar feliz assim como eu fiquei. Não sei se alguém aqui viu quando comentei que havia conseguido um estágio em um escritório, e por conta disso, acabei sumida do blog e do instagram. Entretanto, acredito que a grande maioria tenha acompanhado os noticiários e visto que o Espírito Santo estava um caos por conta da Segurança Pública. A partir do momento em que houve a paralisação da Polícia Militar do Estado, o mesmo tornou-se um caos. Por conta disso, o escritório onde faço estágio ficou parado – por conta desse transtorno na vida da população capixava. Nesse meio tempo, consegui adiantar algumas leituras, e ainda, novos posts foram ao ar não só no blog como também no instagram pra quem não segue é @maisumigliterario. 

    Diante do caos que foi instaurado no Espírito Santo, uma amiga me indicou uma série bem bacana pra que eu pudesse acompanhar e passar o tempo – e assim o fiz. E é por isso que o post de hoje será especial, e também, tenho certeza que vocês irão amar. One day at a time é uma série americana de comédia produzida pela Netflix, sobre uma família latina (são cubanos), e nessa série, somos apresentados a dilemas que estamos vivenciando todos os dias na mídia mundial com o novo presidente de umas das maiores potencias mundiais – USA. 

    Essa série nos apresenta uma família que estamos sendo acostumados a conhecer nos dias atuais. Uma família nada comum, porém com grandes aprendizados e com aquilo que devemos prezar nas pessoas: companheirismo, amor, amizade e cumplicidade. Temos uma mãe divorciada, com dois filhos adolescentes, uma típica mãe/vó religiosa, e um vizinho amigo que dá suporte a família. O que achei mais interessante na série é como a mesma conseguiu reunir vários assuntos, e não perder o foco. Seguiu um roteiro impressionante, e com ótimas atuações.

    Além é claro, de trazer assuntos que não deveriam ser tidos como tabus em pleno século XXI. Assuntos esses como: machismo, feminismo, divórcio, bebidas, sexualidade, religiosidade, vício com remédios, deportação, imigração… dentre outros assuntos.

    Além dessa família incrível, os personagens secundários são HILÁRIOS! Só de lembrar do médico que é patrão da Alvarez (a mãe e provedora do lar), morro de rir. 

    Por conta dessa série, acabei tendo uma reflexão para a minha vida: a partir do momento em que não tomamos nenhum partido, e seguimos nossas vidas como seres humanos que somos, levando assim, o respeito ao próximo como o principal sentimento enraizado em nossos corações, seremos felizes – independentemente de opção sexual, religião, nacionalidade. O mundo precisa de pessoas que possam disseminar o amor, pessoas essas que a cima de tudo, consigam respeitar e amar o seu próximo – e tenha certeza que, a partir do momento em que fizermos isso, tudo ao nosso redor será melhor.

     

    E vocês? Já assistiram a série?

  • Resenhas
  • 1 fev 2017

    Resenha: O Duque e eu

    Título: O Duque e eu
    Autor (a): Julia Quinn
    Editora: Arqueiro
    Ano: 2013
    Onde comprar: Amazon|Saraiva |Submarino
    Classificação: 4/5
    Sinopse: Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo. Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta. Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida. Primeiro dos oito livros da série Os Bridgertons, O duque e eu é uma bela história sobre o poder do amor, contada com o senso de humor afiado e a sensibilidade que são marcas registradas de Julia Quinn, autora com 8 milhões de exemplares vendidos.
    Quem diria! Eu, Talita lendo romance de época, haha. Confesso que não é meu gênero favorito, entretanto, resolvi dar uma chance para o gênero que arranca suspiros das formas mais diversificadas de adolescentes e jovens de nossos dias atuais. Quando conheci a autora, foi por acaso na livraria de minha cidade. Resolvi comprar pra dar uma chance, porém não li. Nesse meio tempo, houve um evento literário em minha cidade sobre romance de época, e foi nele que resolvi que iria ler O Duque e eu.
    Assim que peguei o livro para ler, confesso ainda que deixei o mesmo um pouco de lado, entretanto, indiquei para uma amiga e ela leu primeiro que eu risos. Por mais que o livro seja de um gênero que não é de longe um de meus favoritos, posso afirmar com todas as letras que me apaixonei por O Duque e eu.
    Somos apresentamos a família Bridgerton – uma família nada comum até mesmo para a época. Uma família composta por oito filhos e seus nomes são em ordem alfabética. O livro é o primeiro da série Os Bridgertons e vai contar a história da quarta filha da família, entretanto, a mais velha entre as meninas a Daphne Bridgerton. Nossa protagonista é a famosa mocinha de livros de romance de época: sonhadora, deseja casar com um homem que possa fazê-la feliz, e além disso, que possa lhe dar uma família grande assim como a sua. Mas diferente das mocinhas de sua época, Daphne é um tanto quanto diferente, tendo em vista que ela é uma moça muito simpática, decidida e tem vários amigos – mas nenhum a corteja pelo fato de considerá-la amiga – e também por outro fato que descobrimos no livro, haha.
    Por outro lado, temos Simon Basset: o duque libertino de Hastings. Simon não veio de uma família grande e estruturada como Daphne, e por conta de ter sofrido em sua infância, o mesmo é um tanto quanto fechado para o amor. Porém, logo que os dois se conhecem, são atraídos um ao outro – não apenas como amantes, mas também pela amizade entre os dois. Ah! E vale super a pena dizer que Simon é o melhor amigo de Anthony Bridgerton, o irmão mais velho de Daphne. Nessa situação, somos tomados por momentos intensos entre os personagens, além da amizade sincera de Daphne e Simon. Conhecemos um pouco os membros dessa enorme família – e eu já tenho meu favorito, porém é o quarto livro. Por mais que eu tenha gostado do livro e dos personagens, haviam momentos em que eu não tinha paciência alguma com Daphne e Simon.
    Mas logo passava essa falta de paciência com os dois, haha. No começo a leitura foi um pouco difícil, tendo em vista que não é meu gênero de leitura favorito – sempre corro quando o livro é romance de época, haha. Mas eu realmente me rendi, e já estou lendo o segundo livro dessa maravilhosa série. O Duque e eu já entrou para minha lista de favoritos desse ano, e confesso que se continuar nesse ritmo, iriei de fato amar essa série. E vocês? Já leram os livros?
    Simon não desejava ser o heroi de ninguém, mas nem ele poderia ignorar um insulto dessa magnitude.