TAG: livros
  • Resenhas
  • 29 mar 2017

    RESENHA: CORTE DE ESPINHOS E ROSAS

     

    Título: Corte de Espinhos e Rosas
    Autor (a): Sarah J. Maas
    Editora: Galera
    Ano: 2015
    Onde comprar: Amazon|Saraiva|Submarino
    Classificação: 5/5 <3


    Sinopse: Ela roubou uma vida. Agora deve pagar com o coração.

    Nesse misto de A Bela e A Fera e Game of Thrones, Sarah J. Maas cria um universo repleto de ação, intrigas e romance. Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar uma fada zoomórfica transformada em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação. Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira — que ela só conhecia através de lendas —, a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la… ou Tamlin e seu povo estarão condenados.

    Oi gente! Como vocês estão? Espero que muito melhor que eu, haha. Hoje ~ finalmente ~ trouxe uma resenha digna para vocês. Faz algum tempo que estava com uma ressaca literária, e adivinhem só: sai dela! uhulll escolhi o livro Corte de Espinhos e Rosas porque uma amiga minha havia indicado, e acabei pegando a toa pra ler. Fazia muito tempo que um livro não me prendia como esse me prendeu. Então, caso você ainda não tenha lido, prepare-se para passar noites acordadas até 04:00 hrs am e depois, não conseguir dormir direito pensando no livro, rs. 

    Bom, existem algumas palavras que traduzem a minha leitura referente à esse livro: Extasie, alegria, raiva, amor, gritos no meio da noite. Como vocês podem ver, são sentimentos totalmente diversos um para com o outro, né? Mas quem já leu, tenho certeza que me entenderá – ou não, haha. 

    A história do livro gira em torno de Feyre: a filha mais nova de três, porém a única que aceita o fato de terem se tornados pobres. No início, já nos deparamos com uma família um tanto quanto sanguessuga – a ponto de deixar a mais nova entrar em uma floresta perigosa para a sobrevivência da família. A mãe de Feyre já faleceu, e com isso, a mesma lhe fez uma promessa – meio que indiretamente – que iria cuidar de sua família. E assim o fez. 

    Seres humanos dividem metade de seu território com feéricos e Grão-feéricos e, por mais que estejam separados por um muro – que está começando a enfraquecer – ainda existem ressentimentos tanto por parte dos feéricos  quanto por parte dos seres humanos. O início do livro, nos mostra uma humana capaz de tudo por sua família, ao ponto de esquecer por completo seu verdadeiro eu, sacrificando assim seus sonhos e desejos para viver em função de uma promessa. 

    Com isso, a mesma indo caçar na floresta para a sobrevivência – mais uma vez – de sua família, Feyre acaba matando um enorme lobo na floresta, e com isso, acaba despertando a ira de Tamlin: um Grão-Feérico de Prythian. Com o decorrer da história, percebemos o quão a personagem cresce, como se tornou uma pessoa disposta a mudanças. Um Feyre forte, determinada e diferente daquela que tivemos um primeiro contato. 

    A capa do livro nos traz a seguinte frase: Ela roubou uma vida. Agora deve pagar com o coração. Meu Jesus! Já me tremi toda lendo essa frase, mas prossegui. Quem me conhece, sabe que sou apaixonada por fantasia, mas esse livro… não sei expressar o que sinto. No início, achei ele meio chatinho porque querendo ou não, precisamos saber o que houve, porquê da separação e etc. Nesse momento, temos apenas a visão dos seres humanos com relação aos feéricos, então meio que indiretamente, já consideramos todos uns monstros. Com o decorrer do livro, vamos nos apaixonando por cada página do livro, cada história, cada personagem ali representado. 

    O livro é muito rico em detalhes! Conseguimos nos transportar para o universo de Prythian, e vivenciar cada momento com Feyre: todas as riquezas do lugar, todas as cores, as belezas infinitas. É lindo! Um dos momentos que mais gostei, foi uma cena específica, que a autora conseguiu descrever em tantos detalhes, que cheguei a chorar kkk. Além disso, essa edição da Galera é linda. As rosas e espinhos em alto-relevo, mesclando com o azul, roxo e ainda ao fundo uma floresta.

    Sendo assim convido a todos que ainda não leram o mesmo, para mergulhar de fato em um universo totalmente magnifico, onde aprendemos junto com a personagem a verdadeira natureza de um ser humano. Natureza essa que nos mostra até que ponto iremos para salvar aqueles que amamos, e ainda, que precisamos aprender a amar. 

      

     

  • Papelaria
  • 20 mar 2017

    Organização

    Ei gente! Tudo bem? Hoje vim trazer o primeiro post sobre organização/papelaria pra vocês <3

    Como a maioria – e até eu mesma – pensa/pensava que a segunda-feira é o pior dia da semana, estou começando a mudar essa ideia para: segunda-feira ser o dia oficial das causas para serem iniciadas. Eu mesma só começo meus projetos/planos em uma segunda-feira! E há quem diga que é o pior dia da semana </3.

    Sendo assim, estou pensando em começar uma série com vocês, onde toda segunda-feira irei postar dicas e ideias de organização aqui no blog. E pra quem segue o instagram do blog, criarei a hashtag #segundasualinda. Então, os posts estarão aqui e lá também.

    A cada dia que passa, ando percebendo como as pessoas estão sedentas por organização. Com a correria do dia a dia, quem não se organiza, acaba se perdendo entre as inúmeras coisas que precisam ser feitas e concluídas em suas rotinas. São tantos compromissos, estudos, pagamentos e, quem acaba não se planejando, fica sim perdida (o) entre o caos do dia a dia.

    Eu mesma sempre fui uma pessoa bagunceira. Sempre disse que conseguia me encontrar em minha bagunça e, por mais que existam pessoas que consigam se encontrar na própria bagunça, percebi com o passar do tempo que não sou uma dessas pessoas. Atualmente meu planner é de fato o meu guia em minha rotina diária – e sei que se eu não anotar, irei com certeza esquecer.

    Com o avanço da tecnologia percebemos que o ser humano acabou migrando suas anotações para calendários digitais, bloco de notas no próprio Smartphone e etc. Entretanto, ainda existem pessoas que prezam pelo bom e velho papel e caneta. Não julgo ou menosprezo pessoas que conseguem se organizar/planejar com toda a ajuda da tecnologia – mas infelizmente (ou felizmente, não sei) eu não consigo.

    Para começarmos de fato nossa série sobre organização no blog, resolvi dar algumas dicas que acho extremamente importantes para mim, e que talvez possam sim funcionar para vocês, compartilhando assim, um dos maiores segredos da organização.

    I) NÃO PENSE MUITO! APENAS FAÇA.

    Um dos maiores segredos sobre organização é: não tem segredo! Sempre vejo várias pessoas comprando livros e mais livros sobre ”como ser alguém mais organizada”, outras tantas que dizem que não sabem se organizar por não possuírem um planner. Gente! Deixa de bobeira <3 Até em um guardanapo dá para você se organizar se realmente é isso que você quer para a sua vida. Hoje em dia existem tantos vídeos no YouTube de DIY. Caso esteja sem dinheiro, apenas compre um caderninho ou até mesmo use um que já tenha parado em sua casa, e comece. O importante é ir atrás de melhorar.

    II) LEVE O SEU TEMPO, MAS NÃO SE PERCA!

    Organização não é algo que se conquista da noite para o dia. É questão de se acostumar, e além disso, de abdicar coisas desnecessárias e supérfluas de sua vida. No início, eu mesma ficava super confusa, e não sabia de fato por onde começar. Então, caso você queira, é só começar pelo início. 

    III) ROTINA É NECESSÁRIA!

    Sou uma pessoa movida por meus sentimentos, e além disso, nunca gostei de rotina. Entretanto, a partir do momento em que defini uma rotina que acabei gostando, me vejo cada vez mais apaixonada pelo meu dia a dia. Não sou uma pessoa que anota todos os horários e deixando assim pré-definido tudo que irei fazer em meu dia;  até porquê isso não seria – ao meu ver – uma vida. Somos seres humanos! E sim: as nossas vidas podem tomar rumos diferentes de tudo aquilo que planejamos. 

    IV) SINTA-SE LIVRE PARA SER A PESSOA QUE DESEJA!

    Com isso, para ser uma pessoa organizada e planejar sua vida, basta apenas uma coisa: atitude. Não espere ter um planner para começar a se organizar. Não espere ter uma rotina para ir atrás de organização. Comece pelas coisas mais simples, e tenha certeza que isso irá lhe trazer e até mesmo proporcionar felicidade. 

    Bom, esse foi apenas um bate-papo com algumas dicas que aprendi nesses anos tentando me organizar <3 semana que vem trarei coisinhas novas para vocês, e espero muito que vocês gostem <3

     

     

  • Desafio Literário
  • 17 mar 2017

    [TAG] 11 FATOS SOBRE MIM

    Ei gente! Tudo bom? Hoje vim responder uma TAG que fui marcada pela Cris <3 do blog Plataformatresquartos. Espero que vocês gostem, e além disso, vale a pena dar uma passadinha no blog da Cris pra ver as respostas dela ^^ Vamos lá?

     

     

    1 Fato: Meu nome completo é Talita Santana de Almeida;

    2 Fato: Assim como a Cris, sou APAIXONADA por água. Estou há exatamente um ano sem tomar refrigerante – hehe. Tomei essa decisão porque queria emagrecer, mas acabou que não deu muito certo kkk, mas a paixão por água só aumentou – até mesmo em formaturas, sempre acabo optando pela famosa água;

    3 Fato: Sou apaixonada por cachorro. Desde criança falava que queria ser médica veterinária, porém a vida nos faz tomar outros caminhos, e não me formei em veterinária – mas a paixão continua;

    4 Fato: Sou APAIXONADA pela Coréia do Sul. No começo foi por conta de k-pop. Mas hoje em dia, é por conta da cultura do país além é claro, de me apaixonada em cada drama que assisto, rs;

    5 Fato: AMO as animações da Disney. Se pudesse, ficaria o dia todo assistindo Mulan;

    6 Fato: Um dos meus filmes favoritos é Memórias de uma Gueixa. Cara, sou louca por esse filme! Sempre que alguém vem aqui em casa, chamo pra assistir <3;

    7 Fato: Adoro ouvir Hip Hop Coreano – as músicas são ótimas e os cantores são bem bonitos o.o kkkk;

     

    8 Fato: Sempre que estou indo para a faculdade, coloco funk pra ouvir no carro – não me julguem. Pela manhã não funciono, e às vezes, por mais que esteja amando alguma música agitada internacional, só acordo com funk kkk;

    9 Fato: Assisto Big Brother Brasil com minhas amigas. Uma sempre avisa a outra quando o programa vai começar, e sempre comentados em nosso grupo – como se fossemos participantes mesmo kkkk;

    10 Fato: Estou formando em Direito porém não sei se é isso que quero pra minha vida </3;

    11 Fato: Sou do signo de peixes e por mais que algumas pessoas ADOREM zoar os piscianos, sou apaixonada pelo meu signo <3.

     

    PERGUNTAS DA CRIS:

    1- Qual é o seu maior medo?

    Pra ser sincera, tenho dois grandes medos: cobras e solidão, hehe. Tenho muito medo de ficar sozinha, rs.

    2- Se pudesse ter um super poder, qual seria?

    Ler mentes. Por mais que possa ser algo indelicado, amo saber o que a pessoa está pensando.

    3- Um filme.

    Memórias de uma Gueixa <3

    4- Toddy ou Nescau?

    Nescau, hehe.

    5- Qual é a sua série favorita?

    Gossip Girl – por mais que ultimamente estou apaixonada por Vikings, mas meu amor por essa série não muda <3

    6- Se pudesse voltar ao passado, qual momento da sua vida você escolheria?

    Nenhum. Sei que o que ocorreu no passado, ficou por lá. Além disso, não tenho arrependimentos que me façam querer revivê-los ou mudá-los.

    7- Um arrependimento.

    Dar muito valor para algumas pessoas que não merecem.

    8- Se você encontrasse uma lâmpada mágica e tivesse direito a três pedidos, quais seriam?

    Ir e morar  na Coréia do Sul

    Conhecer New York

    Viver um romance como os de livros/filmes

    9- Livro favorito.

    Harry Potter e o Cálice de Fogo

    10- Diga uma coisa que você odeia muito.

    Cebola ;s

    11- E a pergunta que não quer calar: a lenda desta paixão faz sorrir ou faz chorar? 

    Faz chorar. Porque se não tiver um drama, não sou de fato pisciana, hehehehe.

     

    BLOG/IG INDICADOS: 

    Blog Cercadas de Páginas

    Natureza Literária

    Coisas de meninas

    Instagram:

    Continuar Lendo

    Viaje nos livros

    Leitura Secreta

    Book Aholic

    Euamo_pudim

    Danny_med

    Gabi

    sl_leitora

     

    Desde já peço desculpas porque não conheço muitos blogs com menos de 200 seguidores. Então, mesclei com IG’s literários porém, os que marquei também não tem 200 seguidores D: Ai gente! Me perdoa ><

     

    PERGUNTAS PARA OS BLOGS/IGS:

    1 – Qual seu maior sonho?

    2 – Qual seu gênero literário favorito?

    3 – Um filme que te define.

    4 – Se pudesse escolher, qual universo mágico viveria?

    5 – Rapunzel ou Enrolados?

    6 – Qual seu livro favorito?

    7 – Qual é a trilha sonora de sua vida?

    8 – Londres ou Nova York?

    9 – Qual cidade do Brasil tem vontade de conhecer?

    10 – Gosta de conhecer coisas novas ou prefere rotina?

    11 – Qual sua música favorita?

     

    Amei fazer essa TAG, e agradeço a Cris por me marcar. Espero que vocês tenham gostado da brincadeira, e não esqueçam de passar no blog da Cris pra ver as respostas dela <3 Como não tenho muitos blogs que possuem menos de 200 seguidores, então irei marcar blogs IG literário. 

  • Dicas
  • 1 mar 2017

    SORTEIO – A RAINHA VERMELHA

    Ei gente! Tudo bem com vocês?

    Ultimamente estou tão sumida do blog, e postando mais no instagram que acabo esquecendo de compartilhar com vocês alguns detalhes importantes. Bom, desde quando reassumi o blog, estou tendo algumas dificuldades por conta de falta de tempo e também por causa de ressaca literária – sim! sempre sofro disso, haha. Mas confesso que são muitas mudanças em apenas alguns meses de minha vida, e acabei não conseguindo conciliar tudo. Além disso, por mais que eu graças a Deus tenha condições de comprar livros, queria tentar algumas parcerias para o blog para passar uma imagem mais profissional para vocês – porém, todas que me inscrevi, não logrei êxito… e meio que foi um choque de realidade e decepção comigo mesma.

    Sem contar que não estou querendo mais me prender apenas em um blog literário – estou querendo falar de tudo com vocês. Então, queria saber a opinião de vocês sobre isso: não vou mudar o foco literário do blog, só quero poder falar livremente com vocês sobre diversos assuntos – desde livros, filmes, séries, viagens, moda que querendo ou não, são assuntos que me interesso e sou extremamente apaixonada.

    Mas o meu post não foi pra conversar sobre mudanças, e sim sobre um sorteio que está rolando em parceria com o blog Reino da Loucura que é o Blog da GabiÉ um sorteio no instagram. Então, caso você ainda não esteja participando, corre lá no insta do blog @maisumigliterario e procure pela foto oficial do sorteio. 

     

     

    O ganhador irá levar para casa os quatro livros da série A Rainha Vermelha. Então corre lá, leia as regras e participe! <3

     

  • Dicas, Filmes
  • 23 fev 2017

    Memórias de uma gueixa

     

    Ei pessoal! Tudo bem?

    Sei que estou um pouquinho sumida, mas gostaria de mais uma vez pedir desculpas pelo meu sumiço. Confesso que estou em uma puta ressaca literária esses dias. Estou com três livros para terminar, e não consegui concluir nenhum até agora :/ mas prometo que vou me esforçar e trazer resenhas pra vocês. São tantas coisas passando em minha mente ultimamente, e confesso que estou extremamente perdida sobre vários assuntos referentes à minha vida. Mas chega de falar de mim, não é mesmo? Hoje resolvi trazer para vocês uma dica de filme e livro – e depois prometo fazer um post relacionado à livro x filme referente à essa dica de hoje, ok?

    Bom, acredito que minha paixão pela Coréia do Sul não seja uma novidade para vocês, não é mesmo? A dica de hoje não tem a ver com a Coréia em especial (snif), mas sim sobre um país asiático que muitas pessoas acabam tendo curiosidades sobre esse universo. Hoje em dia, por mais que vivenciamos um mundo diferente de 70 a 80 anos atrás, ainda presenciamos cenas de maus tratos covardia estampada contra algumas mulheres – lógico, conseguimos evoluir bastante isso, mas ainda sabemos que precisamos mudar muita coisa.

    Pois bem imaginem só: Japão. Uma cultura totalmente diferente do Brasil, porém com muitas coisas em comum. Sabemos que em grande parte do mundo, o patriarquismo sempre existiu, e pelo menos no Japão, as coisas são um pouco mais complexas que aqui por exemplo – ou já foram, não é mesmo? Mas a questão é: até que ponto vale a disposição de uma mulher para ser alguém em uma sociedade? Vencer preconceitos, vencer o abandono, a falta de uma base familiar – pois infelizmente a nossa protagonista passa por isso. Até que ponto a mesma precisou lutar e chegar para ser reconhecida com um ser humano. O filme traz menções incríveis a cultura misteriosa das gueixas – e para quem não sabe, Gueixas são artistas em movimento, e não prostitutas como muitas pessoas pensam. Somos apresentados à uma criança inocente em seus aspectos, que foi vendida por seus pais para um okiya, uma casa de gueixas.

    Porém, como nem tudo são flores, nossa protagonista passa por muita coisa em sua vida para assim se tornar uma das gueixas mais renomadas de todo o Japão. O principal cenário do filme é sim o universo das gueixas, entretanto, como cenário de fundo, temos o início da Segunda guerra mundial. Por mais que Sayuri acaba se tornando uma das gueixas mais famosas do Japão, a mesma precisa lidar com o egoísmo, inveja, e o desejo de todos os homens mais importantes da época – sendo que seu coração pertence apenas à uma pessoa.

     

    Descobrimos ainda que gueixas não podem se permitir amar. Sim, são artistas que buscam a perfeição, entretanto, não podem amar. São privadas de um dos sentimentos mais lindos e puros que um ser humano pode experimentar em sua existência. Mas ainda assim, se contentam com a bondade – uma vez que algumas já experimentaram tanta maldade.

    E é por isso que esse livro/filme é sem sombra de dúvidas, um dos meus favoritos. Sempre que assisto, choro horrores e não me canso! A história de Sayuri é cativante. Não tem como não se apaixonar e não tem como não torcer por ela até o final. Pra quem está em busca de um filme/livro feliz, peço que entenda o sofrimento e só depois entenderá a felicidade. Além disso, o filme/livro nos trás tantas lições que nossa! Se alguém ainda não assistiu, peço encarecidamente que vá fazer isso, haha.

     

    E vocês? Já leram ou assistiram ao filme? <3

  • Dicas
  • 13 fev 2017

    Relendo Harry Potter <3

    Oi gente! Tudo bem?

    Hoje resolvi compartilhar com vocês uma experiência que três amigos meus e eu estamos começando. Pra quem me conhece, sabe que sou fã de Harry Potter, e assim como eles, nossa paixão pelo universo mágico só tem a crescer. Sendo assim, propus relermos todos os livros – série completa – do mundo mágico criado por J.K Rowling. Com isso, pra quem tem interesse em reler os 7 livros me avisem para quem possamos fazer algo bem organizado.

    Resolvemos que iremos ler três capítulos por dia. Como moramos no Espírito Santo, vamos nos reunir para discutir cada livro lido. Pra quem não mora no Estado, podemos pensar em uma maneira que possa incluí-los nas discussões sobre cada livro. Ninguém sabe disso então:  aqueles que estiverem lendo com a gente, vão concorrer à uma surpresa no final – surpresa apenas no término do 7 livro. 

     

    E então? Ansioso (a)? Prepare-se e vá imediatamente para o Expresso Hogwarts, e embarque com a gente nessa aventura.

  • Resenhas
  • 1 fev 2017

    Resenha: O Visconde que me Amava

    Título: O Visconde que me amava
    Autor (a): Julia Quinn
    Editora: Arqueiro
    Ano: 2013
    Onde comprar: Amazon|Saraiva|Submarino
    Classificação: 5/5
    Sinopse: A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva. Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela. Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele. Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.
    Sempre que desejo atingir algo em minha vida, começo a planejar e fazer metas. Atualmente faço bastante listas também. Nesse segundo livro da série Os Bridgertons somos convidados a conhecer melhor sobre o primogênito da família: Anthony Bridgerton. O livro já me conquistou a partir do momento em que Anthony começa a fazer uma lista do que uma esposa teria que ter para ser considerada ideal. Ora essa: um dos maiores libertinos que conhecemos no primeiro livro de Julia Quinn pensando em casar?

    O mais cômico disso tudo, é que ele resolve que irá se casar com umas das solteiras mais cobiçadas na temporada: Edwina Sheffield. Uma moça linda para sua época, que por sua vez, comentou em algum dos consertos que participara, em alto e bom tom, que só se casaria com a permissão de sua irmã mas velha: Kate Sheffield. Diferente de sua irmã caçula, Kate não é tão cobiçada entre as solteiras. Digamos que a mesma possui uma beleza comum – uma beleza que não enchia os olhos de quem cobiçava Edwina. Nessa temporada, temos um visconde que está atrás de uma esposa, mas digamos que da esposa errada, haha. Kate é de longe, alguém que se encaixaria na lista de ”exigências” do Visconde. Ela é teimosa, implicante, retruca tudo que o mesmo diz. E gente: logo estamos torcendo para que os dois fiquem juntos.


    Confesso que me encantei demais por essa história. Me vi envolvida por completo com a família Sheffield e ainda mais com os Bridgertons. Diferente do Duque e eu, conseguimos analisar um maior amor e devoção de Anthony à sua mãe e aos seus irmãos. Amei conhecê-lo ainda mais. Também fiquei apaixonada pelo relacionamento das irmãs Sheffields e de Mary Sheffield – em todo seu cuidado com as filhas ❤

     

    O Visconde que me Amava entrou, sem dúvidas, para a minha lista de favoritos de 2016/2017. Julia Quinn superou minhas expectativas com relação à essa maravilhosa série. Confesso que quero muito continuar os outros livros, porém, agora irei pausar um pouquinho e ler outro livro pra não enjoar de romance de epoca, haha.
    E vocês? Já leram a série? Beijos.

  • Resenhas
  • 1 fev 2017

    Resenha: O Duque e eu

    Título: O Duque e eu
    Autor (a): Julia Quinn
    Editora: Arqueiro
    Ano: 2013
    Onde comprar: Amazon|Saraiva |Submarino
    Classificação: 4/5
    Sinopse: Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo. Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta. Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida. Primeiro dos oito livros da série Os Bridgertons, O duque e eu é uma bela história sobre o poder do amor, contada com o senso de humor afiado e a sensibilidade que são marcas registradas de Julia Quinn, autora com 8 milhões de exemplares vendidos.
    Quem diria! Eu, Talita lendo romance de época, haha. Confesso que não é meu gênero favorito, entretanto, resolvi dar uma chance para o gênero que arranca suspiros das formas mais diversificadas de adolescentes e jovens de nossos dias atuais. Quando conheci a autora, foi por acaso na livraria de minha cidade. Resolvi comprar pra dar uma chance, porém não li. Nesse meio tempo, houve um evento literário em minha cidade sobre romance de época, e foi nele que resolvi que iria ler O Duque e eu.
    Assim que peguei o livro para ler, confesso ainda que deixei o mesmo um pouco de lado, entretanto, indiquei para uma amiga e ela leu primeiro que eu risos. Por mais que o livro seja de um gênero que não é de longe um de meus favoritos, posso afirmar com todas as letras que me apaixonei por O Duque e eu.
    Somos apresentamos a família Bridgerton – uma família nada comum até mesmo para a época. Uma família composta por oito filhos e seus nomes são em ordem alfabética. O livro é o primeiro da série Os Bridgertons e vai contar a história da quarta filha da família, entretanto, a mais velha entre as meninas a Daphne Bridgerton. Nossa protagonista é a famosa mocinha de livros de romance de época: sonhadora, deseja casar com um homem que possa fazê-la feliz, e além disso, que possa lhe dar uma família grande assim como a sua. Mas diferente das mocinhas de sua época, Daphne é um tanto quanto diferente, tendo em vista que ela é uma moça muito simpática, decidida e tem vários amigos – mas nenhum a corteja pelo fato de considerá-la amiga – e também por outro fato que descobrimos no livro, haha.
    Por outro lado, temos Simon Basset: o duque libertino de Hastings. Simon não veio de uma família grande e estruturada como Daphne, e por conta de ter sofrido em sua infância, o mesmo é um tanto quanto fechado para o amor. Porém, logo que os dois se conhecem, são atraídos um ao outro – não apenas como amantes, mas também pela amizade entre os dois. Ah! E vale super a pena dizer que Simon é o melhor amigo de Anthony Bridgerton, o irmão mais velho de Daphne. Nessa situação, somos tomados por momentos intensos entre os personagens, além da amizade sincera de Daphne e Simon. Conhecemos um pouco os membros dessa enorme família – e eu já tenho meu favorito, porém é o quarto livro. Por mais que eu tenha gostado do livro e dos personagens, haviam momentos em que eu não tinha paciência alguma com Daphne e Simon.
    Mas logo passava essa falta de paciência com os dois, haha. No começo a leitura foi um pouco difícil, tendo em vista que não é meu gênero de leitura favorito – sempre corro quando o livro é romance de época, haha. Mas eu realmente me rendi, e já estou lendo o segundo livro dessa maravilhosa série. O Duque e eu já entrou para minha lista de favoritos desse ano, e confesso que se continuar nesse ritmo, iriei de fato amar essa série. E vocês? Já leram os livros?
    Simon não desejava ser o heroi de ninguém, mas nem ele poderia ignorar um insulto dessa magnitude.
  • Resenhas
  • 1 fev 2017

    Resenha: Histórias de Hogwarts

    Título: Histórias de Hogwarts: Poder, Política e Poltergeists Petulantes
    Autor (a): J.K Rowling
    E-book
    Onde comprar: Amazon
    Classificação: 5/5 ❤
    Tudo que envolva o universo mágico de J.K Rowling vale a pena ser lido, não é mesmo? E com esse e-book lançado pelo Pottermore não seria diferente. Assim que fiquei sabendo dele e dos outros 2 e-books corri no site da Amazon e os adquiri. Confesso que ainda não li os outros dois, entretanto, a resenha de hoje falaremos sobre Poder, Política e Poltergeists Petulantes.

    O e-book traz várias informações e nos apresenta personagens que já conhecemos, e ainda, como e porque daquele personagem ser do jeito que conhecemos. Na verdade, conta um pouquinho da história de cada – e achei isso super interessante. Bom, no primeiro capítulo temos a história de nossa querida sóquenão Dolores Umbridge. Achei bem interessante a forma com que a J.K a descreve com ”a aparência de um cupcake decorada, mas não tinha nada de doce”. Ela ainda traz no início a data de aniversário, qual a varinha da bruxa, qual casa ela pertenceu e suas habilidades especiais. No decorrer do primeiro capítulo temos uma apresentação do passado sombrio da mesma. Sobre sua família, de como ela chegou ao poder e etc. Acabamos conhecendo um pouco mais afundo uma das bruxas mais odiadas no universo mágico.

    No segundo capítulo temos a presença dos Ministros da Magia de Azkaban. Confesso que gostei bastante, pois vai passando e comentando sobre cada Ministro que assumiu e em que ano o mesmo ”governava”. Achei úteis as informações, e nesse capítulo, conseguimos conhecer o passado e presente do Ministério da Magia.

    No terceiro capítulo é o maior capítulo, pois o mesmo trata sobre Horácio Slughorn, Porções, Porção Polissuco e Caldeirões. Conhecemos mais afundo o professor Horácio e seu elitismo entre os alunos, pois sempre estava em busca de pessoas que possuíam poderes excepcionais. Além disso, é o famoso professor que adorava Tom Servolo Riddle: uma vez que o mesmo conseguiu descobrir através de seu professor como criar Horcruxes. Com relação as porções J.K traz explicações assim como fala sobre Porção polissuco e explica mais um pouquinho sobre a famosa porção que nos é apresentada nos livros e no segundo filme de HP. Comenta ainda um pouquinho sobre a figura dos caldeirões e como a figura dos mesmos são tão importantes para a comunidade bruxa.

    Já no quarto capítulo descobrimos um pouco mais sobre o professor Quirino Quirrell – o primeiro professor de Defesa Contra as Artes das Trevas de Harry Potter. Ficamos sabendo ainda como e porque Voldermort o escolheu para habitar temporariamente em seu corpo.
    E por fim, o quinto capítulo Pirraça, o poltergeist temos a história de nosso fantasma favorito: O pirraça. Pra quem já leu os livros, com certeza sentiram a falta dele nos filmes assim como eu. De acordo com J.K: poltergeist seria pelo simplesmente um fantasma barulhento, haha.
    Para quem ainda não leu, super indico os e-books. Com certeza vocês irão amar todas as explicações. Sem contar que no final de cada capítulo, temos reflexões da J.K Rowling e os comentários são super válidos.

  • Resenhas
  • 1 fev 2017

    Resenha: Como eu era antes de você

    Título: Como eu era antes de você
    Autor (a): Jojo Moyes
    Editora: Intrínseca
    Ano: 2013
    Onde comprar: Amazon|Saraiva|Submarino
    Classificação: 5/5 ❤

     Sinopse: Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Além disso, trabalha como garçonete num café, um emprego que ela adora e que, apesar de não pagar muito, ajuda nas despesas. E namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe. Quando o café fecha as portas, Lou se vê obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, a ex-garçonete consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto e planeja dar um fim ao seu sofrimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro. Como eu era antes de você é uma história de amor e uma história de família, mas acima de tudo é uma história sobre a coragem e o esforço necessários para retomar a vida quando tudo parece acabado.
    Um livro/filme que tem como tema principal a música Photograph de Ed Sheeran não podemos esperar pouca coisa, não é mesmo? Uma música que é capaz de despertar toda paixão que existe em seu coração, onde a letra diz: Amar pode curar. Amar pode remendar sua alma e é a única coisa que eu sei. Eu juro que fica mais fácil. Lembre-se disso em cada pedaço seu e é a única coisa que levamos conosco quando morremos.
    Pensei bastante antes de começar essa resenha para o blog, uma vez que meus sentimentos com relação ao livro são de fato um tanto quanto contrário a maioria das pessoas. Analisei o livro da perspectiva de Will Traynor, e não apenas o conto de fadas que as pessoas idealizam ao ler Como eu era antes de você.
    Quando lembro desse livro, sinto todas as emoções que um dia quis esconder dentro de mim. A autora desperta todas os detalhes de um amor um tanto quanto impossível – pois ambos os lados sentem algo um pelo outro, entretanto, apenas uma pessoa está de fato pronta para se entregar e abrir mão de tudo por conta de um amor. A história do livro Como eu era antes de você nos apresenta Louisa Clark – uma típica jovem de 26 anos vivendo sua vida da forma mais comum possível. Tem um emprego que possibilita sua monotonia – que depois é quebrada, lógico – uma jovem em um relacionamento que visa apenas o lado de uma pessoa, onde a mesma abre mão de sua vida para viver a vida de outra pessoa, e além disso, uma jovem que não só abre mão de sua vida, mas também de seus sonhos e vontades por conta de sua família.

    Por outro lado temos Will Traynor: um típico homem que viveu sua vida da melhor forma possível, super ativo e esportista que estava a frente da empresa de sua família. Porém, o mesmo teve um trágico acidente, onde tornou-se tetraplégico. Com o advento do acidente, Will não se encontra mais feliz como antes e assim, planeja de fato dar um basta ao seu sofrimento.
    Nesse contexto somos apresentados a um romance utópico entre os personagens, tendo em vista que Lou mais uma vez está disposta a abrir mão de seu eu, para fazer e ser feliz com Will. A partir do momento em que Lou e Will começam a se envolver de fato, somos convidados a pensarmos o seguinte: até que ponto os nossos sentimentos nos tornam reais tendo como base o ”abrir mão de si mesmo” para a felicidade de quem se ama? Lou estava disposta, esperando que Will abrisse de fato o seu coração para que ela lhe mostrasse o mundo se possível. Entretanto, será que aquela frase que assistimos no filme ”Antes que o dia termine” existe de fato? Que em um relacionamento sempre haverá alguém que irá amar mais, se entregar mais. No romance de Jojo não seria diferente: um lado deseja entregar seu coração aos sentimentos com todas as suas forças; por outro lado, temos uma pessoa que por mais que deseje que o romance se torne real, não teria coragem de pedir para que a pessoa se prendesse a ela.

    E com isso, observo atentamente que há de fato amor por ambos os lados – mas cada um sabe a sua limitação ao poder de amar, sabe até que ponto se entrega ou não a um relacionamento. E por mais que esperamos uma decisão diferente do personagem, o mesmo não vê outra saída – e devemos entender isso. A vida de uma pessoa é sua por completo. Eu entendo o lado de Will, entendo mesmo. Por mais que Lou pudesse fazer o impossível acontecer para que ele se tornasse feliz, não seria o bastante.
    Além disso o romance nos trás boas reflexões, uma vez que Will desperta tudo que existe de melhor em Lou – a personagem começa a sonhar novamente – e em meu ponto de vista, os sonhos são os combustíveis de nossas almas – começando assim a relembrar todos os fatos e tudo aquilo que já foi importante em sua vida. E isso não em preço. Faz com que nossa querida Lou reencontre o seu lugar ao mundo despertando assim, seu encontro consigo mesma.
    Confesso que adoro livros onde as personagens se encontram não em amores, mas em si. E por mais que algumas pessoas não tenham gostado do final, em meu ponto de vista, o amor não é só o fato de viver romantizando todos os momentos – mas viver todos os momentos como se fossem os últimos, e assim, trazendo tudo que há de melhor em desejos e sentimentos que acabaram adormecidos em algum canto de seu ser.
    Jojo Moyes nos traz a reflexão de que além de sentimentos por outras pessoas, precisamos de fato, de nos encontrar, para que assim possamos viver um romance, e nos entregar ao amor.
    É que… não aguento pensar que você vai ficar aqui pelo resto da vida. – Ele engoliu seco. – Você é muito inteligente. Muito interessante. – Ele desviou os olhos de mim. – Você só vive uma vez. É sua obrigação aproveitar a vida da melhor forma possível.

    Página 1 de 212