TAG: mulher
  • Resenhas
  • 1 fev 2018

    RESENHA: SORRISOS QUEBRADOS

    Título: Sorrisos Quebrados
    Autor (a): Sofia Silva
    Editora: Valentina
    Ano: 2017
    Onde comprar: Amazon
    Classificação: 5/5 

     

     

    Acredito que um dos sentimentos mais puros e sinceros que existem nos dias atuais, é de fato o amor – seja ele pelo seu próximo e o seu amor próprio. Acredito que quando nos envolvemos de fato por alguém, devemos ter em mente que não podemos nos perder. Com isso, posso assegurar à vocês que esse livro foi de fato uma luz ao final do túnel pra mim. Tornou-se uma luz que me puxou para rever vários detalhes, e me fez questionar sobre o que de fato acabamos aceitando como algo normal em nossas vidas.

    Sorrisos Quebrados traz a história de Paolauma mulher comum que buscava uma vida e sonhos comuns, entretanto, com muitos desejos e sonhos para serem realizados. A mesma vivia em um relacionamento abusivo, e por conta disso, acabou se perdendo em meio ao caos que relacionamentos destrutivos como esses trazem as nossas vidas. Começamos o livro com relatos de violência doméstica contra a personagem e isso é de partir qualquer coração. Uma mulher que se perdeu em meio ao caos do sofrimento e da violência mental e física que eram desferidas contra ela o tempo todo. Temos também a presença de André: um típico homem que está tentando se recompor de um relacionamento frustrado e pai de uma das personagens mais fofas que já vi em minha vida: A Sol. 

    Esses três personagens são conectados de uma forma, que desejamos cenas dos três do início ao fim. O bacana é que a autora conseguiu conectar as três vidas em uma única história, que nos arrancam suspiros o tempo todo. Pra ser bem sincera, me apaixonei pelo livro através de sua capa. Quando peguei o mesmo na livraria, pensei que seria uma história que envolvesse destinos, signos e essas coisas que amamos. Porém, quando comecei a ler as primeiras páginas do livro, me envolvi de uma forma que não há explicação.

    Sofia Silva conseguiu me prender nas primeiras páginas de seu livro – mesmo que as primeiras páginas sejam de cortar o coração, e de acender uma revolta tão grande em qualquer ser humano. As considerações desse livro é: às vezes acreditamos que devemos aceitar qualquer coisa oferecido pela outra pessoa, e acabamos nos perdendo em meio as situações de nossas vidas. Acabamos aceitando qualquer sentimento que nos é oferecido, pois estamos sendo tão manipuladas (os) pela pessoa que acreditamos ser o melhor para nós mesmas (os). Devemos colocar a mão em nossa consciência e analisar o que de fato as pessoas ao nosso redor dizem sobre uma relação. Às vezes você está em um relacionamento abusivo, porém não se dá conta da manipulação que possa estar sofrendo. Se você der o mundo para uma pessoa, não espere 1/2 planeta – espere a constelação inteira.

    Seja inteiro, e aceite o que é inteiro. Por conta disso, acredito que devemos ser nossas melhores versões a cada dia que passa. Sorrisos quebrados nos ensina a buscar e acreditar naquilo que há de melhor. Nos ensina que devemos buscar o extraordinário em nossas vidas, e só aceitar aquilo que corresponda as nossas expectativas.

    “O bom dos muros é que eles podem ser derrubados – declara com convicção. – Tenha cuidado ao derruba-los, para as pedras não caírem sobre você. Não existe nada pior do que tentar salvar alguém e terminar soterrado.”

     

     

     

     

     

     

     

     

  • Pensamentos
  • 8 mar 2017

    Feliz (?) Dia Internacional da Mulher

    Olhando algumas publicações em sites, facebook e até mensagens compartilhadas através do WhatsApp e Messenger, pude analisar que o dia internacional da mulher está sendo comemorado como forma de incentivo ao consumo por muitos lojistas – não os critico por isso. Pude ainda perceber que, por mais que algumas pessoas se ”considerem a favor da igualdade dos gêneros”, estão aproveitando esse momento para gerar mais polêmica com relação ao feminismo – não estou aqui para compactuar ou não sobre determinada assunto, mas fazer com que as pessoas possam olhar para o passado, afim de evitar os mesmo erros no presente.

    Nós mulheres já sofremos muito por sermos apenas mulheres. Sim. Qualquer cultura que você pegue para estudar a história, sempre existe a predominação do patriarquismo. Mulheres eram tratadas como um mísero ser humano. Sem valor. E olhando tudo o que já vivenciamos através da história, percebemos que conseguimos conquistar muitos direitos. Mulheres essas que no passado, lutaram para serem reconhecidas como mulheres capazes e dotadas de inteligência assim como qualquer outro ser humano. Mulheres que fizeram a diferença em seu século. 

    Mas porquê associar feminismo à essa data, Talita? Porque foi através desse movimento que começamos a ter direito a voto, a receber propriedades caso a família não tivesse filhos homens. Ou seja: a luta por nossos direitos começou sim com o movimento feminismo. 

    Em uma publicação de alguma página fazendo uma comparação à Bruno – ex-goleiro do flamengo – algumas pessoas criticavam o posicionamento do STF em conceder através de uma decisão provisória a soltura do mesmo. Além disso, pesquisando sobre o caso na mídia, eis que me deparo com a seguinte notícia: ”goleiro recebe a proposta de nove clubes e desses nove, dois são da série a”, e ainda tivemos torcedores do próprio time pedindo o retorno do goleiro. Por conta disso, uma pessoa comentou que se fosse a Eliza Samudio, não iria conseguir um emprego, seria xingada por todos na rua e tudo mais. E isso me fez pensar o seguinte: até que ponto está indo a razão do ser humano? Melhor: a razão da sociedade brasileira?

    Temos duas histórias sendo comparadas por conta de uma soltura: um homem que mandou assassinar uma mulher, e entregar o corpo para cachorros e uma mulher que esquartejou seu marido e colocou os pedaços em uma mala. Um que está sendo requisitado por times e pedidos de selfies; e uma outra que caso saia, possa sim ser xingada, perseguida por ter matado seu marido. Não estou aqui para dizer que um crime justifica o outro – longe de mim.

    Estou aqui para fazer com que você, caro leitor, possa pensar sobre como a sociedade brasileira está doente. Os dados levantados com relação à lei maria da penha são absurdos. Quantas mulheres continuam sendo agredidas por seus parceiros, mortas e estupradas levando assim, todas as conquistas e glórias do passado por água a baixo? Até quando a nossa bandeira verde e amarela será sujada por sangue por conta da violência contra a mulher? Precisamos dar um basta nisso. Repensar nossas atitudes e estarmos acordadas e esperançosas por um país que não só exalte as curvas de uma mulher mas sim um país que está preparado para abraçar e proteger cada mulher de sua sociedade. 

    Por conta disso, reflita sobre seus posicionamentos, pensamentos e só assim, deseje de fato um feliz dia internacional para as mulheres de sua vida <3