TAG: tomhanks
  • Filmes
  • 9 fev 2017

    Inferno

    Produção: Brian Grazer
    Gênero: Suspense/Policial
    Minha avaliação: ★★★★

    Sinopse: O simbologista Robert Langdon e uma médica viajam pela Europa para deter o plano de um lunático de disseminar um vírus mortal.

    Hoje resolvi trazer uma crítica ao filme que assisti ontem 08/02/2017 à vocês. Não sei se vocês sabem, mas o Espírito Santo está passando por uma paralisação da Polícia Militar, e quase nada está funcionando no estado. Logo, quem estuda, não está tendo aula, quem trabalha, está sendo liberado mais cedo do serviço e a vida está tentando voltar a normalidade. Cansada de ficar em casa sem fazer nada – sim, não estou assistindo Netflix, não estou lendo –  resolvi baixar o Popcorn Time e comecei a assistir Inferno. 

    Assim que comecei a assistir, confesso que fiquei meio confusa com relação à temática do filme, entretanto, me prendeu desde as primeiras cenas. Quando li o nome, pensei que se tratava de algum filme com uma temática apocalíptica, com confrontos, saques e tudo mais – porém me enganei. Percebi então que estava diante de um filme bem Anjos e Demônios – até porque, é do mesmo autor, haha.

    Assistindo ao filme, me vi presa as cenas e a inteligência do simbologista Robert Langdon (interpretado por Tom Hanks). Logo de início, nos deparamos com ele acordando em um quarto de hospital, sem entender de fato o que estava acontecendo com ele, e pedindo assim explicações a médica responsável pelo caso, Sienna Brooks (Felicity Jones). Robert Langdon não lembrava de absolutamente nada o que havia acontecido nas últimas 48 horas. Misteriosamente ele é atacado por uma mulher que entra atirando no hospital e querendo acertá-lo. Com isso, Sienna resolve levá-lo até sua casa para ajudá-lo e tratar de seus ferimentos, e é na casa dela, que Langdon começa a lembrar de algumas coisas que lhe aconteceram – e até mesmo encontra um frasco que só pode ser aberto por digital. Ao abri-lo, percebe que está diante de um ”mapa” que dá início à uma busca incansável pelo universo do autor Dante Alighieri – Divina Comédia. 

    Vi que muitas pessoas gostaram do filme, e percebi que a grande maioria não gostou. Disseram que o final foi deplorável, e que não seguiu o livro. Uma coisa que muitas pessoas devem entender, é que adaptações para os cinemas são sim necessárias – me surpreendi com a reviravolta no final do filme, e tenho certeza que se o final do livro é mais surpreendente então preciso começar imediatamente a ler Dan Brown. Também li e ouvi pessoas dizendo que esse foi o pior filme que Tom Hanks interpretou. Não sou Expert em cinema, mas como uma boa pessoa que ama filmes confesso que gostei e não me decepcionei. Além de todo o enredo ter me prendido, achei a fotografia bem feita e gostei da atuação da atriz Felicity Jones. Além disso, a partir do momento em que temos lunáticos desejando implantar um vírus para disseminar a humanidade, podemos esperar qualquer reviravolta do filme. Sem contar que, não dá para confiar em ninguém. Com o atual cenário em que nos encontramos no mundo, não duvido que possam surgir pessoas que ”por amor a humanidade”, possam sacrificar seres humanos, em busca de um bem comum à imagem deles.

    Confesso que valeu sim a experiência, e deixo desde já minha indicação: pra quem ainda não assistiu, vale a pena dar uma chance ao filme. 

    • Nós não nos cuidamos e nos perdemos.
    • Isso é arrependimento?
    • Só quando penso em você.

     

    Alguém aqui já assistiu ao filme? Também gostaram?